O Instagram ficou preto em protesto contra o racismo. Entenda!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Instagram ficou preto
Instagram ficou preto para manifestar a luta contra o racismo no mundo. Foto: Reprodução

Na manhã desta terça-feira (2), alguns usuários começaram a perceber que o Instagram ficou preto. Vários influenciadores e famosos começaram a publicar imagens pretas, sem nada para ser visto, aparentemente. No entanto, cada uma dessas postagens tem muito a dizer.

Elas fazem parte do movimento Blackouttuesday (Terça-feira de Blackout), em tradução literal e surgiu no meio de personalidades da indústria da música nos Estados Unidos. Jay-Z, Beyoncé, Rihanna e outros astros se juntaram num protesto. Ninguém lança música ou clipe no dia de hoje. Ninguém compra música ou clipe no dia de hoje. O movimento é um grito pelos direitos da população afro-americana, afinal, esta tem sido vítima de violência policial há séculos nos EUA.

“Nós não vamos comprar me*** nenhuma. Nós não vamos vender mer** nenhuma também!”, afirmou Rihanna, que possui uma marca de produtos de beleza além de todas as versões digitais de suas músicas.

E não foi só o Instagram que ficou preto e está imerso no movimento, não. O aplicativo de músicas Spotify também deu um jeito de demonstrar seu silêncio pelas vidas das pessoas pretas mortas nos EUA. A equipe técnica inseriu um áudio de mais de oito minutos de silêncio no meio de suas playlists e de alguns podcasats. Se você usa o aplicativo, fica tranquilo, seu celular não quebrou!

Protestos

Quem acompanha os jornais de política e sociedade já viu que os Estados Unidos estão imersos em dezenas de manifestações contra o racismo. Afinal, um policial branco assassinou um homem negro asfixiado. George Floyd estava rendido e não oferecia qualquer perigo para o policial. Sendo assim, sua morte não teve qualquer justificativa para além de sua cor de pele.

Em Nova York, a GloboNews tem feito uma cobertura densa com todos os repórteres e comentaristas atuando intensamente para relatar os fatos. A emissora também mantém jornalistas em outros cantos do país, todos trabalhando intensamente nas ruas para falar a respeito.

Mas, e a pandemia do coronavírus? Pois é, mesmo os Estados Unidos sendo recordistas de casos e de mortes da doença, a população não se intimidou e foi às ruas. Afinal, o racismo também é uma doença, porém, ele só pode ser combatido pelas próprias pessoas lutando contra ele. Dessa forma, temos um recado: Vidas pretas importam e o Famosando também se solidariza ao movimento.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Veja também

O site Famosando é um parceiro do IG Gente