Ivete Sangalo se posiciona politicamente após criticas por isenção

Ivete Sangalo se posiciona politicamente após criticas por isenção

Ivete Sangalo resolveu deixar claro sua posição política nesta terça-feira (22). Aliás, a cantora estava sendo criticada por lamentar as 500 mil mortes causadas no país pela Covid-19 mas ressaltar que seu comentário não se referia a políticos ou partidos que administram as políticas de combate à pandemia. Agora, Ivete então deixou seu posicionamento mais claro “Meus zamuris, entendo o quão necessário é nesse momento não estabelecer dúvidas sobre o que acredito. Esse governo que aí está não me representa nem mesmo antes da ideia dele existir”.

Ivete exaltou as políticas de prevenção “E isso vamos resolver quando unirmos forças nas próximas eleições através do poder do voto. Agora vamos nos unir em prol do que podemos fazer nos nossos espaços para driblar essa desorganização que são: o uso de máscaras, higienização, vacinas e o que mais for necessário”.

“Então que possamos nos vacinar. Eu sou a favor de vacina para todos” finalizou a cantora.

Ivete Sangalo se posiciona politicamente após criticas por isenção

Post isento

Na semana passada, Ivete fez um post lamentando as mortes “Não é natural. Não é uma mentira. É estarrecedor pensar sobre as milhares de vidas ceifadas e dores irreparáveis em torno dessas perdas. Não é sobre partidos, é sobre humanidade.”

Logo, internautas perceberam a isenção da cantora “Olhei a foto e me surpreendi:’ Ivete se posicionando?’ Quando corro pra legenda nada de diferente”, alfinetou um fã.

Ao propósito, especialistas apontam que a falta de medidas por parte do governo no início da pandemia, a indicação de remédios sem eficácia comprovada, o questionamento sobre o uso de máscaras, que reduzem o risco de transmissão, e a recusa de contratos de vacinas impactaram a situação do Brasil.

Tais posicionamentos foram então liderados pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e apoiada por simpatizantes e por políticos de sua base no Congresso. Além de governadores e prefeitos alinhados com o governo federal. Aliás, mesmo sem partido, Bolsonaro conta com apoio de outras legendas, o chamado “centrão”.

Cobranças

Desde a morte do amigo Paulo Gustavo, Samantha Schmutz tem se posicionado nas redes sociais com frequência. Assim, ela até já discutiu com artistas que não se posicionavam sobre a crise no país no controle da pandemia do coronavírus.

“A morte do Paulo Gustavo mexeu muito comigo. Ele era um símbolo de alegria no Brasil. Dois dias depois do enterro dele, eu vi o presidente imitando uma pessoa sem ar. So consegui pensar: ‘não é possível’. É um desrespeito com tantas famílias sofrendo no hospital. Fiquei imaginando o Paulo cheio de tubos, se revirando tentar respirar. As pessoas estão lutando pela vida e não dá para brincar com isso”, disse então Samantha com a voz embargada durante o ‘Saia Justa’.

A humorista ironizou ao dizer que entende quem está calado no momento em que vivemos, porque o feed no Instagram parece que a pessoa vive em outra realidade.

E o que podemos fazer para ajudar? Vamos dar um tempinho de palhaçada, dancinha, TikTok… Claro, pode fazer também, fazer tudo. Só que o assunto está muito sério. Eu passo por feeds nas redes sociais e parece que as pessoas estão vivendo em um mundo de Nárnia (fantasia). Um mundo que não é o meu. Aí até entendo elas não falarem, devem estar em outro país. Não é possível. Ostentar agora é cafona”.

A artista refletiu sobre o próprio papel na sociedade.

“Para que você tem voz? Quem tem voz, tem que falar. Eu não parei de seguir muitas pessoas, que até gostaria, mas não vou dar like, não vou curtir, dar engajamento para quem não está se preocupando com o país. Fico indignada”.

Veja também

O site Famosando é um parceiro do IG Gente