Maisa, Kevinho, Lexa e mais famosos entram na onda de aplicativo que muda o gênero de usuários

Faceapp viralizou com mudanças de gêneros de famosos
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

O ano de 2020 tem sido de muita nostalgia e poucas novidades. Neste sábado, 13, usuários desenterraram o aplicativo FaceApp, que bombou há exatamente um ano ao envelhecer o rosto dos usuários em fotos. O programa ressurgiu como um dos assuntos mais comentados no Twitter com milhares de postagens em que o gênero das pessoas é alterado nas imagens. Vários famosos como o Lexa, Kevinho, Maisa Silva, Fernanda Paes Leme, Eliana, Gui Araújo, Mc Gui e Flávia Pavanelli entraram na onda.

Fãs também pegaram fotos de seus ídolos famosos e colocaram no aplicativo para ver como eles ficariam com o gênero oposto. Faustão, Luciano Huck, Fátima Bernardes e até o Papa Francisco foram alvos dos usuários.

Confira (clique na imagem para ampliar):

Preocupação com a política de privacidade

Apesar do aplicativo ter viralizado entre os famosos com as mudanças de gênero, o Faceapp não é tão inofensivo como parece.

Segundo o Canaltech, o aplicativo de origem russa, que soma mais de 100 milhões de instalações na Google Play Store, foi alvo de discussões sobre privacidade e ciberespionagem, inclusive sendo investigado pelo FBI, por conta de sua política de privacidade vaga, com muitas brechas que preocupam em relação à proteção dos dados do usuário.

Entre os trechos polêmicos da Política de Privacidade do FaceApp está um que diz o seguinte:

“Usamos ferramentas de estatísticas de terceiros para nos ajudar a mensurar o tráfego e as tendências de uso do Serviço. Essas ferramentas coletam informações enviadas pelo seu dispositivo ou nosso Serviço, incluindo as páginas web que você visita, add-ons e outras informações que nos ajudem a melhorar o Serviço. Coletamos e usamos estas informações estatísticas com informações estatísticas de outros Usuários, assim ela não pode ser usada para identificar qualquer Usuário em particular”.

Ou seja, ao concordar com isso no momento de instalação do app o usuário autoriza que o FaceApp e empresas parceiras possam coletar dados como o histórico de navegação na internet, por exemplo.

Veja Também: Hater pede para Maísa se matar e ela lamenta “Não desejo a ninguém”

Para piorar a situação, a inteligência artificial do aplicativo ainda foi acusada de racismo ao embranquecer pessoas negras a partir de um filtro de “embelezamento” para tornar a selfie do usuário “mais sexy”. Na época, a Wireless Lab OOO, desenvolvedora do aplicativo pediu desculpas publicamente pelo ocorrido.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Veja também

O site Famosando é um parceiro do IG Gente