São Paulo inicia produção da vacina contra o coronavírus

São Paulo inicia produção da vacina contra o coronavírus
São Paulo inicia produção da vacina contra o coronavírus. Foto: Leo Franco/AgNews

Não tem famoso mais famoso nesse país do que a tal vacina contra o coronavírus. Então, como ela chegou por aqui, vamos falar a respeito dela! São Paulo inicia produção brasileira da vacina do Instituto Butantan contra o coronavírus ainda esse ano!

Por fim, a organização vai manipular e envazar o imunizante sete dias por semana. Dessa forma, a produção diária pode alcançar a capacidade de um milhão de doses por dia. Então, o governador João Dória anunciou o fato através de coletiva de imprensa nesta quinta-feira (10), para nossa alegria.

“É um momento histórico que orgulha todos nós, brasileiros. O Butantan mais uma vez sai à frente e começa a produzir uma vacina que vai salvar milhões de brasileiros. Para fazer a quantidade que a urgência nos impõe, a fábrica passará a funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana”, afirmou. “Com isso, a capacidade de produção da vacina chegará a um milhão de doses por dia. Não é só São Paulo que tem pressa, é o povo brasileiro”, acrescentou Doria.

Vale destacar, portanto, que a fábrica do Butantan ocupa área produtiva de 1.880 metros quadrados e conta atualmente com 245 profissionais. Ademais, outros 120 novos funcionários reforçam a produção da vacina contra o coronavírus.

Leia mais

Rafael Cardoso testa positivo para coronavírus
No elenco de novela, Marieta Severo está com Covid-19
Eduardo Galvão morre aos 58 anos, vítima da Covid-19

Estrutura

O local dispõe de seis máquinas principais para envase do extrato composto da vacina. Aliás, este chegou através da biofarmacêutica Sinovac Life Science, da China. Por isso, que o imunizante ganhou o apelido de Vacina Chinesa. Além disso, a rotulagem e embalagem do imunizante, estudado há seis meses, também acontecerá no local.

Então, a capacidade de envase diário para a vacina do Butantan contra a COVID-19 é entre 600 mil a um milhão de doses. Sendo assim, o primeiro lote terá aproximadamente 300 mil doses. Portanto, até janeiro, 40 milhões de doses da vacina deverão ser produzidos no local.

Além disso, o mesmo complexo produz 80 milhões de doses da vacina contra a gripe, além de 13 tipos diferentes de soros para a rede pública de saúde. Aliás, a Coronavac tem composição semelhante a outros imunizantes do Butantan, o que facilita e agiliza o processo de envase.

Com toda essa estrutura, portanto, o Butantan prevê a construção de uma área nova para envase, com três linhas. Assim, poderá atender a produtos que exijam tal nível de segurança.

Leia mais

Giovanna Antonelli testa positivo para coronavírus
Erick Jacquin testa positivo para coronavírus e se afasta da Band
Record suspende gravações às pressas após crise de Covid no elenco

Segurança

Em outubro, o Governo de São Paulo e o Butantan anunciaram que a Coronavac é a mais segura entre as vacinas em etapa final de estudos clínicos no Brasil.

Nenhuma reação adversa grave se registrou. Aliás, apenas 35% dos voluntários participantes do estudo clínico apresentaram algum tipo de reação leve, como febrícula (febre baixa e temporária) ou dor no local da aplicação.

Em novembro a revista científica Lancet, uma das mais importantes no mundo, publicou os resultados de segurança da Coronavac nas fases 1 e 2, realizados na China, com 744 voluntários. A publicação mostrou que a vacina é segura e tem capacidade de produzir resposta imune em 97% dos casos no prazo de até 28 dias após a aplicação.

Veja também

O site Famosando é um parceiro do IG Gente