Seu Jorge sobre negros na moda "As marcas entenderam que somos bonitos e que vestimos bem as roupas"

17 Oct 2019

O artista foi prestigiar o desfile da Cavalera no São Paulo Fashion Week 

 

Seu Jorge já desfilou em outras edições da semana de moda de São Paulo, mas nesta quarta-feira, 16, o artista esteve no Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque do Ibirapuera, apenas para assistir. Seu Jorge falou com o Famosando no Backstage "Tenho uma máxima, que não é minha, mas que diz: 'Eu sempre soube me vestir, só não tenho quem me dê roupa'. Acho que saber se vestir é uma herança do meu pai. O cuidado com a apresentação é muito importante. Sobretudo quando a gente viaja o mundo representando a nação. Você acaba se acostumando.  Todo mundo gosta de se arrumar pra sair."

 

Nos dias atuais, a população negra já consegue ter mais acesso a moda. Seu Jorge refletiu "Eu acho que antes também tinha um problema econômico. A população negra não está nas mesmas condições de consumo (de moda). As alternativas surgiram. A medida que o mundo foi ficando mais próximo, as influências, a música, a arte... tudo isso tem contribuído bastante para que a expressão desse jovem, que está gritando não só por liberdade,  mas por um lugar de pertencimento - ele quer ver o seu corpo passando. A moda tem ajudado a quebrar um pouco com uma possível rejeição. A gente vê em todo lugar no nosso país o racismo. Talvez a moda venha para utilizar disso nesse momento e colocar as discussões em debate."

 

Foto: Leo Franco / Agnews 

 

O artista falou sobre o racismo que ainda é muito forte "O racismo é estrutural no nosso país. É importante que essas pautas surjam para que a gente possa discutir e levar até as próximas gerações para ter uma revolução nisso tudo. Para a sociedade brasileira cresça, é preciso que a gente entenda que somos um país de diversidade. É um caldeirão de diversidade. A miscigenação é a coisa mais moderna  do mundo: o brasileiro carrega características do mundo inteiro. O racismo não cabe no Brasil. Não promove nada"

 

Os negros estão ganhando um lugar muito grande na indústria mundial "Quando a gente cresce assistindo todos os heróis que não são negros, de repente aparece o Pantera Negra e é a maior bilheteria da Marvel, quer dizer que existe uma demanda reprimida. Na medida que isso acontece, eu acho que dá abertura para todas as outras coisas acontecerem. Esses movimentos de expressão impulsionam outras esferas a estarem presentes. E que legal que as marcas entenderam que somos bonitos e que vestimos bem as roupas. E uma hora também teremos lugar para comprar... a moda percebeu esse movimento"

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Please reload

  • YouTube ícone social
  • Instagram ícone social
  • Facebook Basic Black
Siga "famosando"
Please reload

O site Famosando é um parceiro do IG Gente 
contato@famosando.com.br