Susana Vieira toma vacina contra Covid-19 no Rio

Susana Vieira toma vacina contra Covid-19 no Rio
Susana Vieira toma vacina contra Covid-19 no Rio. Foto: Sá Barreto/AgNews

Enquanto os números de mortes sobem cada vez mais, Susana Vieira toma vacina contra Covid-19 no Rio. Dessa forma, ela entra no time de pessoas que ajuda a prevenir a doença e não disseminá-la ainda mais.

A estrela global chegou ao Planetário da cidade do Rio de Janeiro na tarde desta quinta-feira (4) para se vacinar. Diversas equipes de imprensa estavam no local para acompanhar a vacinação da estrela. Contudo, a organização do local não autorizou imagens de Susana.

Aos 78 anos, Susana se vacinar é, de fato, um serviço à sociedade. Afinal, essa é uma forma de dizer ao público que não tem nada de errado com as vacinas que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) autorizou.

Então, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro autorizou que a imprensa fizesse a cobertura dos pontos de vacinação. Dessa forma, é possível que esses momentos se tornem comuns à vida não só dos cariocas, como também de todos os brasileiros.

Apesar disso, não foi o que aconteceu no Planetário da Gávea nesta quinta-feira (4). Assim que chegou ao local, a organização do evento restringiu a entrada de quaisquer veículos de imprensa. Sendo assim, as fotos mostram Susana entrando e saindo do local. Ela mostrou uma marca de vacinação quando foi embora.

Leia mais

Cantor Marlon fala sobre Covid: ‘Pensei que não fosse acordar!’
Carlos Alberto de Nóbrega está no hospital com Covid
Cantor morre com Covid dois dias depois de perder a mulher grávida

Evolução da pandemia

Entre os dias 3 e 4 de março de 2021, o Brasil registrou 1.699 mortes por causa da Covid-19. Governos em todo o país tentam buscar soluções para frear o rápido contágio, solucionar os problemas advindos dessa pandemia. Apesar disso, os números tem explicação clara: o brasileiro se esqueceu da gravidade do coronavírus.

Oficialmente, os desfiles de Carnaval no Rio e em São Paulo não aconteceram. Os blocos de Salvador não desfilaram, tampouco o Carnaval de Olinda desceu ou subiu qualquer ladeira. Ainda assim, festas clandestinas surgiram em todo o país. As praias lotaram e ficou claro que a preocupação com a doença não foi grande.

Os danos do tal vírus chegam com um certo delay. Os sintomas e a doença normalmente acontecem por volta de 14 dias após o contato da pessoa com o vírus. Atualmente, nós vemos o Brasil beirar as duas mil mortes por dia, fruto das resenhas de um Carnaval que não deveria ter acontecido.

Enquanto oficialmente costureiras, mecânicos, carnavalescos, músicos e outros milhares de profissionais perderam seus empregos com o cancelamento dos desfiles, o resultado não foi sequer produtivo. Afinal, de que adiantou fechar o Sambódromo ou a Sapucaí? A aglomeração só mudou de lugar.

Que nós aprendamos a cuidar de nós mesmos e dos outros.

Veja também

O site Famosando é um parceiro do IG Gente