Wagner Moura fala da rotina durante pandemia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Wagner Moura fala da rotina durante pandemia
Wagner Moura fala da rotina durante pandemia. Foto: Divulgação

Protagonista e produtor do filme “Sergio”, da Netflix, Wagner Moura fala da rotina durante a pandemia de coronavírus em entrevista ao “Cinejornal”. O programa do Canal Brasil vai ao ar em duas partes: nesta terça-feira (14), às 23h50, e no sábado (18) às 17h. Com o intuito de divulgar o longa da Netflix, ele fala com Simone Zuccolotto sobre o longa, que resgata os últimos dias de vida do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello. A estreia da cinebiografia está marcada para 17 de abril.

A respeito da pandemia de Covid-19, o ator avalia como a doença está afetando a todos com efeito mundial: “Esse momento mostrou toda a fragilidade dos líderes mundiais diante de uma crise como a que estamos passando. Essa crise vai aumentar a desigualdade social e econômica no mundo. O momento é de olhar para dentro e refletir como vai ser a vida pós-corona. Vai ser diferente”.

Em tempo, Wagner relata como está o dia a dia da família em Los Angeles, onde vivem: “Estamos bem aqui, a onda está muito boa em casa. (Nós) estamos juntos, acompanhando de perto os estudos das crianças. Estou lendo bastante, assistindo alguns filmes e séries antigos com a família. A primeira coisa que a gente vai fazer quando tudo isso passar é voar pra Bahia”.

A história de Sérgio

Ainda durante a exclusiva com o Canal Brasil, o ator comenta a importância da cinebiografia em sua carreira: “Sergio é mais que um filme. É um projeto ambicioso meu, que é: produzir o que me interessa, o que quero fazer. Eu quero falar de nomes relevantes da América Latina, inseridos em contextos reveladores. Sergio foi o primeiro projeto nessa linha. E temos grandes nomes, né”?.

Em resumo, Sérgio Vieira de Mello foi assassinado por conta de sua atuação em defesa dos direitos humanos em um atentado reivindicado pela Al-Qaeda. Assim, no filme, é lembrado como o oficial mais poderoso na história da ONU, com o posto diplomático mais alto já ocupado por um brasileiro. “É um filme sobre empatia e sobre um homem que dedicou sua vida à luta pelos direitos humanos”, define o ator.

O artista contracena com nomes como Ana de Armas, Garret Dillahunt, Brían F. O’Byrne, Will Dalton, entre outros nomes. Além disso, a superprodução é dirigida por Greg Barker e tem roteiro assinado por Craig Borten.

O próximo projeto de Wagner para as telonas é “Marighella”, seu primeiro trabalho na direção. Aplaudido de pé no Festival de Berlim, o longa seria lançado dia 14 de maio, mas com o mercado cinematográfico em pausa por conta do coronavírus, a data será, mais uma vez, alterada. Além do momento em que Wagner Moura fala da rotina durante pandemia, ele lamenta o adiamento da estreia. “Foi muito frustrante não lançar o filme em novembro de 2019 por causa do Governo. Eu poderia lançar na internet, mas não quero, meu filme vai estrear nos cinemas e tenho certeza de que vai ser muito bem aceito.” Em seguida, completa: “O audiovisual brasileiro já estava parado antes da pandemia. A arte é um remédio mental e espiritual”, conclui.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Veja também

O site Famosando é um parceiro do IG Gente